» » » 'Tenho amor', diz homem que vendeu casa para cuidar de cães abandonados na PB

Amor pelos animais fez Edimárcio Pereira vender a casa onde morava para cuidar de cães na zona rural de Monteiro (Foto: Rafaela Gomes/TV Paraíba)


 Edimárcio sempre gostou de animais, desde criança. Mas foi quando chegou à idade adulta que seu amor pelos bichos levou a uma decisão: ele vendeu a casa onde morava com a família, no município de Monteiro, no Cariri da Paraíba, e se mudou para a zona rural para conseguir cuidar com melhor condições de animais abandonados, que moravam nas ruas da cidade.

Conhecido como Neguinho dos Cachorros, Edimárcio Pereira, de 33 anos, hoje cuida de 28 cães em sua propriedade. Segundo ele, eram mais animais, mas, por falta de remédios, alguns acabaram morrendo.
“Não tenho dó, não tenho pena, tenho amor. Também já sofri muito, já morei na rua. Sei a necessidade de ter um endereço, ter um teto. Os bichinhos não falam. Não sabem dizer o que estão passando. Quando vejo um animal na rua, lembro como era ruim pra mim e me sinto obrigado a tirar da rua”, garantiu.

Edimárcio já cuidava dos animais abandonados quando morava na cidade. Porém, sem um lugar adequado para abrigar todos, resolveu se mudar. “Tinha a casinha da gente, que conseguimos com muito sacrifício, mas o espaço era pouco. Eu queria ter espaço e condições para abrigar todos os animais, cachorro, gato, jumento...”, brincou.
Edimárcio cuida atualmente de 28 cães (Foto: Rafaela Gomes/TV Paraíba)
Quando na cidade, Edimárcio trabalhava vendendo churrasco e trufas de chocolate, além de ser beneficiário de um auxílio-doença. Depois que foi para o campo, ele começou a fazer várias atividades. Além de cuidar dos cães, ele trabalha como agricultor, pescador, pintor, entre outros. 

Outra forma de completar a renda é criando cães de raça para vender, como pinscher, poodle e labrador. Com o dinheiro que ele consegue com a comercialização de filhotes, ele consegue cuidar de cães vira-lata que moravam na rua, tratar das doenças deles e conseguir um novo lar para eles por meio da adoção.

“Tem uns que a gente se apega, os primeiros, de muito tempo, que não consegue mais doar. Tem deles que morreram de velhos na nossa mão. Veio machucado, ferido, e a gente cuidou até ficar velhinho. E tem a Mini, que é uma pinscher. Ela dorme comigo e com minha esposa, só falta falar, é a dona de tudo, um xodó”, comentou Edimárcio.
Fonte: Portal G1

Sobre Nós

A Associação Fonte de Água Viva trabalha na construção de um mundo melhor. Através dos meios de comunicação levamos o amor a paz até os corações nos quatro cantos do Brasil e do mundo.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe Seu Comentário

Deixe seu comentário, lembrando que este deverá ser aprovado para ser publicado no site.
Não serão aceitos comentários com spam, propagandas, palavrões e etc.

Anti Drogas

Vídeo Previsão do Tempo

Recados

Agenda: Shows e Eventos

Curta Nossa Página