» » » 80% dos moradores de SP apoiam internação à força de usuários de crack, diz pesquisa Datafolha

Após operação policial na Luza, dependentes químicos migraram para a Praça Princesa Isabel, a Nova Cracolândia (Foto: Celso Tavares/G1)


Pesquisa do Instituto Dataflha divulgada neste sábado (3) pelo jornal "Folha de S.Paulo" mostrou que 80% dos entrevistados defendem a internação à força para tratamento de usuários de crack. O levantamento ouviu 1.125 pessoas na cidade, na quinta-feira (1º), e a margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

De acordo com a reportagem, quatro em cada cinco moradores defendem a internação compulsória dos viciados. 

A pesquisa foi realizada 11 dias após ação policial na Cracolândia, na Luz, no Centro da capital. A operação prendeu traficantes, desobstruiu ruas ocupadas por uma feira de drogas, mas espalhou os usuários para outras vias da cidade. 

A Polícia Civil e Polícia Militar, do governo do estado, participaram diretamente da ação. A Guarda Civil Metropolitana (GCM), da Prefeitura, deu apoio operacional. 

A maioria dos usuários migrou para o Praça Princesa Isabel, a cerca de 400 metros do antigo ponto. O local passou a ser conhecido como Nova Cracolândia. 

Ainda segundo o Datafolha, a ação policial é aprovada por 59% dos entrevistados, mas 53% viram uso de violência contra os usuários.
 
 
Prefeitura e governo
Segundo o Datafolha, 60% apontam o prefeito João Doria (PSDB) como o principal responsável por aquela ação no centro de SP. Apenas 9% citam o governador Geraldo Alckmin (PSDB), ante 18% que apontam os dois tucanos.
 
Entre as medidas adotadas pelo poder público para acabar com a antiga Cracolândia estão o início da demolição de imóveis que eram utilizados pelo tráfico, como pensões e hotéis. 

Segundo a Folha, a primeira demolição, no entanto, deixou três pessoas feridas, e a prática acabou vetada pela Justiça –de forma geral, a iniciativa é aprovada por 55% e rejeitada por 41%. 

Apesar disso, para 48% o desempenho de Doria tem sido ótimo ou bom nesse tema, de acordo com o Datafolha. Outros 25% acham regular e 23%, ruim ou péssimo. No caso de Alckmin, a aprovação é de 29%. 

A gestão Doria chegou a pedir à Justiça autorização para recolher usuários à força das ruas e levá-los a atendimento médico. 

O Ministério Público (MP) e Defensoria Pública foram contra e o Tribunal de Justiça (TJ) não autorizou a internação compulsória dos usuários. Ainda cabe recurso. 

Segundo o Datafolha, 80% defendem a internação de usuários de crack mesmo contra a vontade deles –pode ser tanto a involuntária (com aval médico) e a compulsória (após decisão também de um juiz).
 
 
Família
A maioria dos moradores também concordou que a família do usuário possa decidir interná-lo a força se ele não demonstrar capacidade de tomar decisões por conta própria. 95% responderam sim, e 5%, não.
No caso em que a família do usuário não é localizada, a resposta foi parecida –88% sim, 11% não, e 1% não soube responder. 

A maioria (71%) concorda que a recente operação provocará uma temporária redução do consumo, mas não necessariamente uma busca pelo abandono do vício. Outros 74% acreditam que os usuários precisam de mais força de vontade do que de tratamento médico para abandonar o vício. 

Segundo os entrevistados, o problema do crack na cidade de São Paulo é de responsabilidade de traficantes (29%) e dos próprios usuários (22%). Metade acha ser possível acabar com o tráfico e o uso de crack em SP, e a outra metade não.
 
 
 
Fonte: Portal G1
 
 

Sobre Nós

A Associação Fonte de Água Viva trabalha na construção de um mundo melhor. Através dos meios de comunicação levamos o amor a paz até os corações nos quatro cantos do Brasil e do mundo.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe Seu Comentário

Deixe seu comentário, lembrando que este deverá ser aprovado para ser publicado no site.
Não serão aceitos comentários com spam, propagandas, palavrões e etc.

Anti Drogas

Vídeo Previsão do Tempo

Recados

Agenda: Shows e Eventos

Curta Nossa Página