» » » » Símbolo de fé, imagem da Padroeira já foi quebrada em mais de 200 pedaços

Após atentado, imagem ficou quebrada em mais de
200 pedaços e precisou ser restaurada.
(Foto: Arquivo Pessoal/ Maria Helena Chartuni)
Nem todo mundo sabe, mas a imagem de Nossa Senhora Aparecida, a que foi encontradada por pescadores no rio Paraíba e é considerada símbolo da fé católica no país, já sofreu um atentado que a quebrou em mais de 200 pedaços. 'Salva' após restaurações, atualmente ela é protegida por um nicho e atrai mais de 10 milhões de devotos por ano ao Santuário Nacional de Aparecida, no interior de São Paulo.

O atentado à imagem da Padroeira do Brasil aconteceu em 16 de maio de 1978 na Basílica Velha em Aparecida. Enquanto a missa das 20h era celebrada, os fiéis não poderiam imaginar que estavam prestes a vivenciar uma “tragédia religiosa”.
Durante a missa, um jovem visivelmente transtornado, avançou em direção à Santa no altar. Saltou a uma altura de dois metros até o cofre de ouro com frente de vidro onde estava a imagem. Na terceira tentativa, a força do “possesso” deixou os vidros em estilhaços e Nossa Senhora foi tirada do altar.

O homem correu até a rua e apesar de ser alcançado por um guarda, consegui lançar Nossa Senhora ao chão. A imagem quebrou em centenas de pedaços. O suspeito foi detido e tratado como doente mental. Já a imagem da Santa, naquela altura, tinha seu futuro incerto.

Maria Helena Chartuni durante o restauro da imagem de Nossa Senhora Aparecida (Foto: Arquivo Pessoal/ Maria Helena Chartuni)
Artista plástica Maria Helena Chartuni durante o
trabalho de restauro da imagem.
(Foto: Arquivo Pessoal/ Maria Helena Chartuni)
A história está registrada em diários de padres e memórias de católicos da cidade. Agora, também volta à tona pelas mãos do jornalista Rodrigo Alvarez, correspondente da TV Globo em Jerusalém e autor do livro “Aparecida: a biografia da santa que perdeu a cabeça, ficou negra, foi roubada, cobiçada pelos políticos e conquistou o Brasil”, em que são relatados casos curiosos ligados a Padroeira.

Neste episódio em que a imagem é quebrada, ele conta que foi necessário reconstruí-la. "Nem dá para chamar de restauração, foi uma reconstrução. Nossa Senhora teve que ser refeita. Ela não tinha pequenos defeitos, problemas de pintura ou um nariz quebrado. Ela não existia mais”, afirma Rodrigo Alvarez.

Restauração e homenagens
Depois da imagem ser quebrada, a Igreja cogitou que o restauro fosse no Vaticano, mas o trabalho acabou sendo feito pela artista plástica brasileira Maria Helena Chartuni, hoje com 71 anos, e que na época trabalhava no Museu de Arte de São Paulo (Masp). “Ela estava toda quebrada em uma caixinha. O que eu senti na hora não foi nada agradável, foi uma espécie de pânico. Pensei: o que eu vou fazer agora? Aí, falei à ela: a senhora me colocou em um problemão e precisa me ajudar a sair dele”, conta a restauradora.

O processo de revitalização foi minucioso e para ter maior agilidade, Maria Helena utilizou uma cola especial, com fixação mais rápida. Foram 33 dias interruptos de trabalho reorganizando a escultura da santa. As partes que faltaram, como detalhes da cabeça, por exemplo, foram reconstituídas e igualadas às demais.

Após os trabalhos, Nossa Senhora voltou à Aparecida em um cortejo do Corpo de Bombeiros em 19 agosto de 1978. Na ocasião, milhares de fieis acompanharam o trajeto pela via Dutra. “Foi um verdadeiro corredor humano até Aparecida. Foi a coisa mais emocionante que eu vi. Não foi marketing, foi uma explosão de fé verdadeira. Com toda emoção que houve, começou a cair minha ficha e tive o sentimento de dever cumprido. Certamente restaurou minha fé, e abençoou muito meu trabalho. Foi a restauração mais importante que fiz na vida”, afirma a artista.

Após restauro, imagem é levada de volta para Aparecida (Foto: Divulgação/ Portal A12)
Fiéis acompanham retorno da imagem para
Aparecida. (Foto: Divulgação/ Portal A12)
Na volta da Padroeira ao Santuário Nacional, cerca de 100 mil pessoas foram à Aparecida para homenagear a Santa em uma cerimônia que também contou com apresentação de Renato Teixeira, compositor da canção “Romaria”. “Me emocionei ao cantar 'Romaria' para aquela multidão. A imagem é como se fosse um totem nacional. É agregadora e tem uma espiritualidade brasileira ímpar”, recorda o cantor.

Pouco depois da volta, a imagem passou por um novo processo de restauração. Descontente com a cor da escura da Santa, o reitor do Santuário, padre Izildo Santos, a escondeu em um quarto por vários dias seguidos para retocá-la. Alterou os traços do olho direito da Padroeira e deu a ela o tom de canela. Abandonou Aparecida antes que percebessem a mudança e, novamente, pouco depois, Maria Helena foi chamada para 'salvar' a imagem de Nossa Senhora novamente.

Hoje, quase 40 anos após o ocorrido e três séculos após ser encontrada no rio Paraíba, a Padroeira segue exposta no Santuário. A Santa que já se dividiu em centenas de pedaços voltou a ser uma só.


Fonte: Portal G1

Sobre Nós

A Associação Fonte de Água Viva trabalha na construção de um mundo melhor. Através dos meios de comunicação levamos o amor a paz até os corações nos quatro cantos do Brasil e do mundo.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe Seu Comentário

Deixe seu comentário, lembrando que este deverá ser aprovado para ser publicado no site.
Não serão aceitos comentários com spam, propagandas, palavrões e etc.

Anti Drogas

Vídeo Previsão do Tempo

Recados

Agenda: Shows e Eventos

Curta Nossa Página