» » » » 'Tartarugas Ninja' tem visual de game e se garante com nostalgia

Raphael, Leonardo, Michelangelo e Donatello: as Tartarugas Ninja (Foto: Divulgação/Paramount)


Quando foram divulgadas as imagens das novas Tartarugas Ninja, muita gente reclamou do visual diferente dos heróis. Pode acreditar, o físico de lutador de MMA é o menor dos problemas. "As Tartarugas Ninja" marca o retorno dos personagens após 21 anos sem filmes com atores: só desenhos animados mantiveram a franquia viva. A estreia, marcada para quinta-feira (14) no Brasil, serve para matar as saudades de quem já imitou os golpes de Raphael, Leonardo, Michelangelo e Donatello no final dos anos 80 e começo dos 90.

Destruidor é o vilão de 'As Tartarugas Ninja' (Foto: Divulgação/Paramount)
Destruidor é o vilão de 'As Tartarugas Ninja'
(Foto: Divulgação/Paramount)
O retorno dos heróis tem tudo o que se espera de um projeto com Michael Bay como produtor. O homem por trás da série "Transformers" produz mais uma vez uma história que tem diálogos fraquinhos, tudo muito esquemático. Quem gosta de cenas de ação com trilha épica e sequências em câmera lenta vai se esbaldar.

O filme, claro, não é uma bomba por completo e tenta ir além da nostalgia. As cenas de luta parecem ter saído de games, o que pode ser um elogio ou uma crítica negativa dependendo do seu gosto. O visual é bonito, muito por conta do trabalho do diretor de fotografia brasileiro Lula Carvalho ("Robocop", "Tropa de Elite"). Por meio de flashbacks, a história das Tartarugas é didaticamente explicada. O roteiro investe em citações pop. Gracejos com músicas, filmes e séries rolam antes, durante e depois da pancadaria. As cenas com o Mestre Splinter estão entre as melhores. Os efeitos especiais, a voz de Tony Shalhoub ("Monk") e os movimentos do anão Danny Woodburn ("Espelho, Espelho Meu") são convicentes. Compõem bem o rato mentor dos ninjas.

Will Arnett e Megan Fox em 'As Tartarugas Ninja' (Foto: Divulgação/Paramount)
Will Arnett e Megan Fox em 'As Tartarugas Ninja'
(Foto: Divulgação/Paramount)
Vilão e musa 'transformers'
O vilão Destruidor parece um "transformer" versão samurai. Sem comprometer, Megan Fox faz exatamente o que fez quando esteve na franquia de carros robôs: mordidinha no lábio, olhar apreensivo, corrida para todos os lados. Will Arnett (o Gob da série "Arrested Development") é escalado para ser o cinegrafista que acompanha a destemida repórter April O'Neil (Megan). Faz rir vez ou outra, mas o texto às vezes não ajuda.

O diretor Josh Appelbaum segue a cartilha de Bay: quanto mais destruição melhor. Voos e movimentos improváveis de heróis e vilões estão nos desfechos das batalhas, com explosões e expedientes já notados em trabalhos anteriores. Antes, Appelbaum fez "Invasão do mundo: Batalha de Los Angeles" e "Fúria de Titãs 2".

Como tudo é exagerado, até as características marcantes de cada tartaruga estão mais aguçadas. Raphael surge ainda mais temperamental e briguento. Michelangelo mostra devoção por pizzas, garotas e música (faz beatbox, diz ser o DJ Mike). Parece tentar bater o recorde de piadas por minuto de heróis: um páreo duro para Tony Stark e Peter Quill. Donatello, o inteligentão, tem visual nerd, gadgets e óculos. E o líder Leonardo mostra maturidade e tenta fazer com o que os quatro fiquem unidos.

O grito de guerra ("cowabunga!") e o prato preferido (pizza) são os mesmos de outros tempos. Mesmo assim, até os fãs mais empolgados não terão tantos motivos para dizer "Santa tartaruga!" depois deste filme.



Fonte: Portal G1

Sobre Nós

A Associação Fonte de Água Viva trabalha na construção de um mundo melhor. Através dos meios de comunicação levamos o amor a paz até os corações nos quatro cantos do Brasil e do mundo.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe Seu Comentário

Deixe seu comentário, lembrando que este deverá ser aprovado para ser publicado no site.
Não serão aceitos comentários com spam, propagandas, palavrões e etc.

Anti Drogas

Vídeo Previsão do Tempo

Recados

Agenda: Shows e Eventos

Curta Nossa Página