» » » » Sem canteiro para obras, monotrilho pode 'travar' via na Zona Leste de SP

Avenida Ragueb Chohfi, que pode ser quase totalmente fechada porque não tem canteiro central para a instalação dos pilares do monotrilho. (Foto: Márcio Pinho/G1)


Um impasse entre o governo do Estado e a Prefeitura de São Paulo na construção do monotrilho da Zona Leste, a linha 15-Prata, pode culminar no fechamento quase total de uma das principais vias da região, a Ragueb Chohfi.

A avenida serve de escoamento para boa parte dos 600 mil moradores que moram nos bairros daquela área da Zona Leste, como Cidade Tiradentes, e também é acesso de caminhões a rodovias. O problema é a falta de canteiro central para instalar os pilares do monotrilho, como já foi feito nas avenidas Sapopemba e Professor Luiz Ignácio de Anhaia Melo.

No trecho entre a Avenida Aricanduva e a Jacu-Pêssego, a Rageb Chohfi tem um pequeno canteiro com menos de meio metro de largura, onde não caberiam os pilares. Há partes sem canteiro algum, com apenas blocos amarelos, conhecidos como tartarugas, dividindo as pistas.

Segundo a Prefeitura, o governo do Estado constatou que as desapropriações necessárias para alargar a via e instalar o monotrilho demorariam pelo menos um ano a mais do que o previsto. Assim, pediu para iniciar as obras imediatamente. O governo do estado previu finalizar a obra do monotrilho até Cidade Tiradentes em 2016.

O Metrô diz que "continua em diálogo com a prefeitura de São Paulo e com o Governo do Estado em busca da melhor solução", mas destacou que a responsabilidade é da administração municipal. "Cabe à prefeitura a decisão sobre as formas de minimizar os impactos da obra sobre o trânsito local", disse.
Três das quatro faixas de rolamento devem ser fechadas caso as obras realmente comecem agora, antes das desapropriações, segundo a Prefeitura. O trânsito seria desviado para as ruas do entorno, que são estreitas e que teriam que passar por adaptações para suportar o peso de ônibus e caminhões e o grande fluxo de veículos.

O nó no trânsito será grande também em razão da a Ragueb Chohfi ter hoje uma faixa exclusiva de ônibus do corredor Aricanduva. “Não há alternativa de outra via que possa ser utilizada como opção”, afirma a Secretaria de Transportes do município.

O governo municipal não tem a mesma pressa do governo do Estado e quer a construção do monotrilho aconteça de forma simultânea às desapropriações que devem ser feitas conjuntamente pela Prefeitura. Isso porque o governo municipal vai construir um corredor de ônibus no local, a Perimetral Itaim.
O prefeito Fernando Haddad (PT) visitou o local e sugeriu ao governador Geraldo Alckmin (PSDB) manter o plano inicial de desapropriação conjunta sem a necessidade do desvio. “É um nó que nós vamos ter que desatar juntos”, afirmou Haddad no início de agosto.


Desapropriações
O monotrilho da Zona Leste é uma das principais ações para o transporte público para a população da Zona Leste. O elevado vai ligar a Estação Ipiranga, da Linha 10-Turquesa, que liga o ABC ao Centro, passando pela Estação Vila Prudente, da Linha 2-Verde, pelo Terminal São Mateus e chegando à região de Cidade Tiradentes. O monotrilho terá 26,6 km e 18 estações elevadas.

O Metrô diz que a primeira etapa da Linha 15-Prata vai beneficiar mais de 13.300 usuários diariamente." O primeiro trecho a ser entregue será entre as estações Vila Prudente e Oratório, com 2,9 quilômetros de extensão e sua entrega está prevista para janeiro de 2014. A Linha 15 completa, quando pronta em 2016, ligará Ipiranga à Cidade Tiradentes, passando por São Mateus, terá 18 estações, 25,8 km de vias elevadas e atenderá cerca de 500 mil passageiros por dia, em média", informou em nota.

No total, já foi determinada a desapropriação de 159 imóveis. No último decreto do governo estadual de abril, vários imóveis na região da Ragueb Chohfi estavam listados, totalizando pelo menos 7,7 mil metros quadrados, cerca de um campo de futebol.

No local, os moradores e comerciantes estão apreensivos com a chegada do monotrilho. Temem que a obra seja realizada da forma proposta pelo governo do Estado, com interdição quase total. “O comércio morre se isso acontecer. O fluxo de pessoas vai despencar”, afirma Márcio Tavares, dono de uma loja de roupas na Ragueb Chohfi, recebeu uma carta do Metrô em abril falando sobre a desapropriação do imóvel e contra que técnicas já foram várias vezes até o imóvel fazer medições. Ele é locatário e teme sair com “uma mão na frente e outra atrás” do local, já que o proprietário do imóvel receberia o dinheiro da desapropriação. Márcio investiu 20 mil no comércio há cerca de um ano.

A dona de uma loja de doces, Eneida Dourado, de 66 anos, lamenta a iminente saída da avenida onde tem seu comércio há 40 anos. “Aqui era tudo chácara quando eu comprei”, afirma. A comerciante já participou de uma reunião com outros comerciantes locais que querem propor uma alternativa aos governos estadual e municipal de mudar o trajeto, optando por instalar o monotrilho perto da Ragueb Chohfi, em uma faixa ocupada hoje por uma favela irregular. Para o morador Aquicasu Coiqui, de 72 anos, a obra não pode afetar um dos lados positivos da região, a variedade de comércio. “Aqui tem banco, mercado, lojas de todo tipo. Não gostaria de perder isso”, disse.

Muitos moradores das proximidades que não terão seus imóveis desapropriados comemoram a instalação do monotrilho. A costureira Maria Rodrigues, de 45 anos, afirma que vai facilitar transitar pela cidade. “Hoje se perde 2 horas para sair daqui e chegar ao centro. Vai melhorar”, afirmou.


Monotrilho
O monotrilho da Zona Leste já tem algumas estações com as obras bastante avançadas, caso da Vila Prudente e Oratório – esse trecho deve operar já em dezembro de 2014.

Os pilares já foram instalados em quase toda a extensão das avenidas Sapopemba e Luís Ignácio de Anhaia. Nesta última, alguns dos pilares já estão pichados. O G1 constatou que um deles, na altura da Rua José Antônio Fontes, no Jardim Guiomar, já está todo marcado por marcas de fogo. Segundo comerciantes locais, aquele trecho do canteiro central da Avenida Luís Ignácio de Anhaia Melo é local de desova de materiais, que acabam sendo queimados por moradores de rua.

Na Ragueb Chohfi, as estruturas já estão montadas entre o Terminal São Mateus e a Avenida Aricanduva. Após esse trecho, tem início a parte sem canteiro. O monotrilho passará ainda pela Estrada do Iguatemi e as regiões das avenidas Souza Ramos e dos Metalúrgicos.

Se for confirmada a previsão de Alckmin de finalizar a linha em 2016, ela ficará pronta quase 20 anos após seu início. As obras do “Expresso Tiradentes” foram iniciadas pelo ex-prefeito Celso Pitta em 2007, quando o projeto ficou conhecido como “Fura-Fila”. Pouco do que havia sido projetado foi feito na gestão Pitta, no entanto. E, em vez de chegar até Cidade Tiradentes, o projeto acabou ligando o Parque Dom Pedro e a Estação Sacomã, e é hoje atendido por ônibus em uma via elevada.

O projeto foi modificado em conjunto pelas gestão do então governador José Serra (PSDB) e Gilberto Kassab (PSD) em 2007. Optou-se pelo modelo do monotrilho para dar continuidade à linha. A gestão Serra chegou a prever que o projeto estaria totalmente pronto em 2012, o que não ocorreu.


Fonte: Portal G1

Sobre Nós

A Associação Fonte de Água Viva trabalha na construção de um mundo melhor. Através dos meios de comunicação levamos o amor a paz até os corações nos quatro cantos do Brasil e do mundo.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe Seu Comentário

Deixe seu comentário, lembrando que este deverá ser aprovado para ser publicado no site.
Não serão aceitos comentários com spam, propagandas, palavrões e etc.

Anti Drogas

Vídeo Previsão do Tempo

Recados

Agenda: Shows e Eventos

Curta Nossa Página