» » » » » 'Paguei e queria levar', diz professor que quebrou itens de loja com martelo

“Paguei pela mercadoria e queria levar. Da maneira como eu ia levar, se era inteira ou se era quebrada, eu decidi ali”, afirmou ao G1 o professor Rodrigo Ciríaco, de 32 anos que publicou no sábado (29), no YouTube, um vídeo registrado por ele mesmo no qual aparece destruindo itens em uma loja da rede Dicico, que vende materiais de construção na capital paulista. Segundo Ciríaco, o "dia de fúria" foi provocado por sucessivos problemas na entrega de produtos e, depois, pela ausência do ressarcimento de pouco mais de R$ 1 mil.

Escritor e professor destruiu itens em loja e postou vídeo na web (Foto: Reprodução)
Escritor e professor destruiu itens em loja e
postou vídeo na web (Foto: Reprodução)
“Fazem a venda além do que podem atender, depois informam ao cliente que não podem atender e não devolvem o dinheiro. É uma coisa abusiva”, resumiu Ciríaco, que é formado em história e dá aulas em escolas de ensinos

Procurada pelo G1, a empresa afirmou que não tinha pendência com produtos, mas admitiu que tinha um reembolso de R$ 600 a pagar ao consumidor. A Dicico informou ainda que acionou seu departamento jurídico e vai responder em juízo.

Morador da Zona Leste, Ciríaco foi à loja da Dicico na Mooca no dia 17 de junho e comprou diversos itens para instalar no apartamento que está montando. Ele comprou o imóvel na planta e espera se mudar logo com a mulher e o bebê de 6 meses. O professor optou pela rede por causa da pronta-entrega, com prazo de seis dias úteis.

No dia 24 de junho, procurou a empresa e foi informado que teria o produto entregue no dia seguinte. No dia 26, entretanto, a loja teria admitido, segundo ele, que não tinha o produto, que teria de ser encomendado. Na quinta-feira (27), Ciríaco comprou os produtos na loja de outra empresa - a entrega foi feita na sexta (28) à tarde. Em seguida, foi à Dicico cobrar o ressarcimento. Segundo ele, funcionários informaram que ele teria de esperar de 15 a 20 dias.

“Informei que estava com o pedreiro na obra parado, aguardando a entrega, e isso estava me causando um prejuízo de R$ 100 por dia”, diz o professor. Ele cobra o ressarcimento de R$ 1012 pelos produtos não entregues e pelas diárias do pedreiro.

Após a recusa da empresa de devolver imediatamente o dinheiro, o professor pegou um martelo que havia comprado, pendurou a câmera no peito e entrou na loja quebrando alguns produtos. Ciríaco conseguiu quebrar duas cubas, um mictório, uma pia e um vaso sanitário.

“Procurei atingir as coisas que eu comprei. Eu consegui a primeira. Mas como vieram me cercando e eu não queria machucar ninguém, peguei o que deu para pegar no caminho”.

O professor diz que fez a divulgação no Youtube para “alertar” outros consumidores sobre a forma como a Dicico atende seus clientes. "Eles se valem da impotência do consumidor e da onipotência deles de ser uma grande empresa de construção em um mercado aquecido”, diz.

Ciríaco, educador há 12 anos e autor de livros, diz não temer sofrer represálias no emprego. “O que eu fiz não representa o que eu sou no dia a dia”. Porém, ele espera enfrentar um processo na Justiça e pagar prejuízos. “O que a Justiça definir o que eu tiver que pagar, eu vou pagar. É esse procedimento que funciona numa instituição democrática. Mas eu vou buscar os meus direitos também e quero que eles paguem o que eles me devem”, afirmou.


Vídeo
A filmagem começa com Ciríaco ainda no estacionamento da loja na Radial Leste. "Eu juro que eu não queria fazer o que eu vou fazer. Mas é assim, às vezes a gente é tão humilhado", disse.

Dentro da loja, as imagens mostram Ciríaco afirmando que não quer machucar ninguém, mas resolver o problema "pegando" os itens que comprou. "Não precisa me ressarcir não. (...) Eu comprei uma cuba dessa, mas como não me entregaram (no vídeo, ele quebra um item) estou levando para casa", disse.

A filmagem só termina após Ciríaco ter quebrado com um martelo outros itens. Funcionários tentaram convencer o jovem a não destruir os objetos, mas ele ressalta que não quer conversar porque, em outras oportunidades, não teria sido ouvido pelos responsáveis.


Nota da Dicico
Veja abaixo íntegra da nota enviada pela empresa:

"Em resposta ao vídeo publicado pelo Sr. Rodrigo Ciríaco, a Dicico informa que não há produto em pendência de entrega com o consumidor. Na verdade, o que havia era um acordo de ressarcimento do valor de R$ 600,00, com o qual a Dicico já tinha se comprometido. No transcorrer do período para o reembolso, a empresa foi surpreendida pela atitude demonstrada no vídeo: o consumidor quebrando produtos com uma marreta na loja. Felizmente, ninguém saiu ferido. A Dicico lamenta profundamente a atitude do consumidor e esclarece que já tomou todas as ações cabíveis junto ao seu departamento jurídico e vai se reservar ao direito de responder em juízo. A Dicico enfatiza seu respeito pelos consumidores e o compromisso com o melhor atendimento e satisfação de todos os seus clientes, princípio que rege as ações da companhia ao longo de 95 anos de história e está no dia a dia de suas 58 lojas."


Fonte: Portal G1

Sobre Nós

A Associação Fonte de Água Viva trabalha na construção de um mundo melhor. Através dos meios de comunicação levamos o amor a paz até os corações nos quatro cantos do Brasil e do mundo.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe Seu Comentário

Deixe seu comentário, lembrando que este deverá ser aprovado para ser publicado no site.
Não serão aceitos comentários com spam, propagandas, palavrões e etc.

Anti Drogas

Vídeo Previsão do Tempo

Recados

Agenda: Shows e Eventos

Curta Nossa Página